sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Sempre que vou te ver...

E a ansiedade encosta na alma,
Não sei pra quê,
se eu já avisei que não deveria.
Mas ela insiste em empurrar meu peito,
perturbar o sono como há tempos não fazia.
Eu estava sã, mas é fato que quando estou pra te encontrar,
o mundo parece não girar, meu bem.
Aquela sede que dormia parece tomar conta de cada parte da minha alma.
Porque toda vez que sei que vou te ver, eu não consigo controlar.
E apesar de você ter sido o meu maior erro, às vezes penso que existiu um pouco de acerto.
Em achar uma química que bate,
de achar um pensamento que arde,
e queima, me faz esquecer que eu deveria dizer não.
É... Tem sido bom essa amizade,
com uma pitada de benefícios,
e segredos,
espetaculares...
E a ansiedade!? Espero que não atrapalhe!

domingo, 20 de dezembro de 2015

Melhor amor!

O dia que se passou hoje foi provavelmente um dos melhores do ano (quem sabe da vida) e nem precisou de muito pra isso. Não precisou ser em outra cidade, nem com muitas pessoas, nem que muitos soubessem ou entendessem... mas foi aqui no meu cantinho.
Tenho aprendido que amor de verdade não é aquele que te enche os olhos e olhos dos outros ao seu redor. O verdadeiro amor é aquele que preenche a sua alma, aquele que não precisa de toque, que não precisa de provas, aquele que você apenas sente, que te deixa ser livre e mesmo assim  é suficiente pra que você abra mão do resto por aquilo ali. Amor é quando você pode ir quando quiser, mas você quer ficar... É quando você não teme perder, porque sabe que o outro nunca vai te abandonar. Amor é a asa que permite o voo, mas te faz querer andar em passos lentos.
E eu poderia escrever outras milhões de coisas pra tentar descrever o que senti hoje, mas só quem sente é que saberá de fato o que eu descrevo aqui. Essa segurança, essa convicção.... Eu não preciso de mais nada! Este amor me basta!
Agora só quero agradecer e desejar que todos vocês também encontrem esse amor um dia! O melhor!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Não é pra você!

Há pouco estivemos perto,
agora tão longe esquecemos,
mas logo logo me volta o desejo
de te reencontrar...
Ah! Tá tudo tão perfeito,
mas tem hora que não tem jeito!
E eu me pego lembrando
de alguns detalhes por aí,
e apesar de odiar te confessar
quando você não está,
sinto saudades de ti.
E quando você ler o que escrevi,
e fingir que não viu nada,
já até sei o que vai pensar.
Mas se você me perguntar
com certeza irei dizer:
Não é pra você!
É... mas é verdade!
Eu às vezes relembro as nossas aventuras,
aquelas coisas que só a gente sabe,
as novidades...
e a sua cor quando te beijo.
Já sei que não demora, mas
quanto antes chega a hora,
menos meu pensamento te devora.
É... Não é pra você, mas se quiser pode ser!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Boas novas

Uma mente sã é aquela que se mantém ocupada. Possuindo muitos momentos de ócio, haverá muito tempo para pensar e agir coisas que não pensaria ou faria se estivesse ocupado.
Mas mais importante é sempre avaliar o que é que tal ação trará de benefício para si. As pessoas às vezes perdem tempo com coisas fúteis, que não lhes acrescentará em nada e, ao contrário disto, podem acabar se afundando em pensamentos negativos. Não somos donos da razão. Não conhecemos as razões do outro.
Às vezes queremos passar por cima de tudo quando algum sentimento domina a mente. Algumas dores nos fazem inseguros, birrentos, inconstantes e malvados. Será que atacar o outro é uma atitude inteligente? Porque ao meu ver, quem procura guerra é porque está insatisfeito... é só ler os livros de história! Quem vive paz, dissemina a paz. Quem vive conflitos, dissemina conflitos.
É preciso pensar com sabedoria no que realmente se quer para si próprio. É fato que colhemos o que plantamos!
Esta semana que se passou foi uma semana de aprendizado, de amar mais o outro, de descobrir que preciso agradecer a Deus por ser o que sou e ter o que tenho. Não odeio ninguém, não desejo mal a ninguém. Aos que me feriram, peço que a vida lhes tragam amor... não desejo que pereçam!
Se querem notícias, venho dizer com a maior sinceridade deste mundo - porque a coisa que mais odeio neste mundo é a mentira - Nunca estive tão certa sobre o que sou, nunca me senti tão completa como agora! Eu tenho tudo e muitas vezes me senti diminuída... quanta ingratidão! Preciso agradecer mais... Acreditar mais em mim. Os outros... nenhum deles pode falar de mim ou de qualquer outro alguém. O que os homens pensam é nada importante pra mim.
Só quero paz, o que vier diferente disso, passará despercebido.

sábado, 5 de dezembro de 2015

Amor - perigo detectado!

O amor pode ser desastroso.
Ele pode te fazer sentir como se você nunca tivesse vivido, como se você estivesse apenas dando os seus primeiros passos. Ele pode te fazer esquecer que um mundo inteiro existe à sua volta... que não há nenhuma forma de tapar aquele buraco, que respirar parece difícil longe de alguma pessoa.
É... O amor pode ser desastroso!
Mas apesar de tal poder destrutivo, o amor é a única coisa que pode te salvar dele mesmo! Eu sei, parece tão confuso. E quase sempre as coisas mais complexas são as coisas mais importantes.
Gosto de pensar que sempre vale a pena abrir o coração de novo, porque não parece haver muito sentido em uma vida sem amor. Ele é o que te dá força, propósito... É ele que move tudo.
Pelo menos pra mim, sim! E talvez seja por isso que eu sempre tenho tanta coragem... passo por cima dos meus dilemas, me jogo! Porque parece às vezes que a vida pode acabar a qualquer momento e eu, sinceramente, quero muito ter vivido intensamente, amado intensamente.
Porque não há melhor sensação do mundo do que o amor recíproco - sentir no abraço do outro a paz que você precisa, que não há mais nada com o que se preocupar enquanto estiver ali. Viajar todos os continentes e galáxias num só beijo... Mas saber... que amar, às vezes, é abdicar do outro.
Esquecer, mesmo que em stand by...
Porque um dia, meu bem, tudo vem à tona... se realmente for amor.

domingo, 29 de novembro de 2015

Quase um anjo!

Ela tinha os olhos azuis como o mar.
Os cabelos alaranjados como o por-do-sol.
Os lábios mais vermelhos que cerejas.
A pele de porcelana mais branca que a neve;
E eu podia encontrar pequenas sardinhas em suas bochechas;
As contava com os meus dedos, enquanto olhava ela se concentrar.
Meu Deus! Era quase um anjo!
Falava em tom de Sol maior, seu timbre - uma poesia.
A voz mais macia me ligava, ganhava o dia, ou a semana...
Poderia pintar um quadro inspirado por suas cores,
Poderia escrever uma canção lembrando dos seus gemidos,
Poderia pensar em um dia fazê-la ser minha,
Apenas poderia, mas já sei que vou tropeçar.
Sonhei demais, Pensei demais...
Ela se foi!

sábado, 28 de novembro de 2015

Sobre fins

Até aqui alguns anos, alguns "sims", alguns "nãos"... Alguns fins!
Talvez é preciso aceitar que para crescer é preciso que existam recomeços e, estes, só são possíveis como consequência de um fim.
E na falta de gosto por decidir algo, perco um pouco de cor, mas aprendo que de pouco a pouco tudo volta ao normal.
Seria melhor deixar estar, fluir, esperar, mas isso seria um crime que cometo contra mim! E está tudo tão bem que às vezes parece que não houveram turbulências, mas quando a chuva desce, amor... Ela carrega os alicerces.
Uma pena! Uma pena faltar simplicidade!
Os rasgos, meu bem, espero que alguém um dia te ajude a costurar.

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Fui tentar escrever...

Fui tentar escrever,
Não achei a caneta, o papel acabou
Liguei o PC, a tela apagou,

As frases sumiram,
desaprendi a rimar,
As palavras fugiram,
pra onde será???

Eu poderia tentar entender
o que aconteceu comigo
mas o silêncio tem sido virtude
escute só, querido amigo...

Quando muitos falam a mesma coisa ela se torna irrelevante, tudo é inútil.
Às vezes o melhor é não ter nada a falar,
nada a escrever, nada a se cansar - AGIR, quem sabe!?

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Outflow

Estou com medo de escrever, de falar, de sentir demais...
Medo de exagerar, de imaginar, construir vontades, mas também medo de perder coisas, pessoas, amizades, histórias. Eu não gosto de me privar... parece que fico enjaulada e me sinto como daquela última vez que me senti assim. Não foi nada agradável.
Apesar do medo, estou escrevendo porque esta é a única terapia que funciona pra mim, já dizia Dona Graciela: "Você deveria escrever um livro". Naquele tempo aprendi que pra olhar pra dentro é preciso coragem. As longas conversas naquela pequena salinha com o tapete mais felpudo que já vi na vida me fizeram lembrar de tudo que aprendi com aqueles 50 minutos semanais - Eu preciso aprender a viver comigo! A controlar meus sentimentos... saber me amar mais. Mas é que parece tão difícil pensar em mim quando estou amando qualquer outra coisa... parece insuportável não conseguir o que quero, não conseguir ser suficiente pra fazer alguém me escolher, parece mais difícil ainda escrever ou dizer qualquer coisa sem parecer que quero me fazer de vitima.
Algumas frases que saíram das bocas das pessoas mais próximas foram as que mais me feriram. O pior - saber que elas estão mesmo certas!
Eu juro que parei pra refletir! A culpa não está em um ou outro amor, em fulano ou ciclano, está no todo. Há muito tempo estou tentando cicatrizar uma ferida, passar "Mertiolate"... mas a sensação que dá é que quanto mais eu cutuco, mais a ferida abre. Eu sinceramente não consigo encontrar os meus erros. Eu nem sei dizer se fui eu que errei!
Sabe... já faz um bom tempo que essas coisas não vêm à tona. Mas eu já devia saber que alguns baques são maiores que outros. E, sinceramente... eu acho que já escondi demais que preciso parar um pouco! Tudo tem parecido tão perfeito... mas só eu sei que aqui dentro nada realmente funciona como deve. Um só estalo e parece que todo furacão está de volta... e os sintomas daquele monstro, a falta de memória, e a falta de vontade. Eu me pergunto, ser inteiramente eu basta?
Talvez eu saiba do que preciso, acho que já tomei algumas doses de cura. O problema é... Essa cura tem livre arbítrio!

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Flashback

Dizem que você só sente algo na mesma proporção uma vez, mas só dizem... Algumas coisas têm me feito lembrar de um tempo atrás - a sensação de estar de mãos atadas, de não poder fazer ficar tudo bem com as coisas que você precisa que fique tudo bem.
Sabe... não existe paz em nada quando não consigo costurar os rasgos. Parece que eles ficam ali... abertos, deixando passar tudo. A vontade das coisas escorrem como água indo para o ralo e aí eu fico procurando alguma coisa que acenda minha vontade de novo. Porque sou assim, movida a sentimentos. Se as coisas esfriam não existe mais combustível pra seguir em frente até que surja algo novo...
É uma pena que existam tantos desencontros... mas sabe, ficaria tudo bem se algum dia eu te encontrasse por aí - sem machucar os pés nas pedras do caminho!

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Volta, paciência!

Perdi uma das minhas maiores virtudes: a paciência.
Por tanto tempo evitei colidir com as coisas, mas não tenho mais conseguido ser uma pessoa compreensiva. Não sei se por cansaço, estresse, momento... não sei. Apenas tenho explodido, perdido a cabeça e fazendo coisas que eu geralmente não faria, no trabalho, na faculdade, nos romances, em casa... acho que até no banho! rs
Se pra reencontrar o meu eu devo mergulhar completamente em mim de novo, preciso encontrar uma maneira de fazer isso urgentemente!
Nada tem trazido calma... me sinto como uma bomba relógio na contagem regressiva pra destruir tudo a sua volta! Preciso de tempo pra mim... preciso pensar em mim, amar a mim! E preciso agora!
Mas como???

terça-feira, 27 de outubro de 2015

O que mais quero...

O que mais quero é acreditar
que estou errada,
que a maldade de todos esses anos
não valem nada.

O que mais quero é andar
sem medo de me perder nas esquinas,
sem medo de ter que desviar de buracos
e pisar em cacos.

Quero acreditar que fiz as escolhas certas
porque quando esse meu peito aperta,
ele me faz perder,
qualquer vontade,
em tudo, de viver

O que mais quero é não privar
meus pensamentos, meus sentimentos,
minhas vontades, ou até receios.
Porque cada grade que me prende,
me faz sentir sem força

pra enfrentar os medos...
e, então, não há tanto sentido
sem o que mais quero...
acreditar!

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Depois de você

Depois de você,
preciso reaprender
a encontrar as palavras,
a controlar minhas falas,
conseguir de novo escrever.

Depois de você,
preciso redescobrir como é,
olhar nos olhos sem medo,
segurar na mão entrelaçando os dedos,
Tentar ser eu o tempo todo sem me sentir um ET.

Não sei bem, mas acho que perdi muitas certezas,
redescobri minha própria natureza,
e as canções nascem tão fáceis,
meus defeitos parecem tão frágeis,
que prefiro esse caos que chegou, depois de você.

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Slow Steps

Por um instante esqueci de tudo
e as coisas pareciam tão mais fáceis
A chuva até passou, o tempo abriu,
tudo conspirava a favor.
Sabe, meu bem... vamos caminhar
com passos leves, bem devagar
porque não existe pressa
quando o que você quer é apenas estar...
Ali... e mais nenhum lugar parece certo,
nenhum centímetro parece perto,
o suficiente...
Cada segundo é muito, cada detalhe importa e mesmo que eu seja assim,
um pouco torta,
vou abandonar meus dramas só pra poder te dar um sim.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

O sim e o não

É importante saber que algumas escolhas nos fazem, automaticamente, excluir outras.
Quando você diz SIM pra qualquer proposta, você está dizendo NÃO pra tantas outras.
Mais importante ainda é saber para o que dizer SIM. Será que o que você perde vale a pena? Você ganha mais que perde? Ou você ganha menos, mas fica MAIS FELIZ?
Sabe, às vezes dói... escolher, saber que não podemos e nem devemos ter tudo. Mas isso nos faz dar valor às nossas escolhas.
Não temos tempo pra perder com o que não traz benefício algum.
Para o que você está dando um SIM? =)
O meu eu já sei! <3>

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Tempo, tempo, tempo

Olha só... O tempo é realmente um bom remédio, bem como uma caixinha de surpresas.
Há alguns anos era o meu maior medo... sofrer os efeitos do tempo. O esquecimento, o amadurecimento, o envelhecer...
Mas sabe, ele vem me provando que as coisas tem o seu momento certo pra acontecer. Que o mundo dá voltas, que nossas inconstâncias fazem alguns "para-sempre" deixarem de existir e o que fica é a certeza de que o presente é exatamente tudo o que temos.
Tenho me aquietado um pouco, mas nunca consigo ser tão constante. Acho que sou daqueles que quando ganham um tapa na cara, oferecem a o outra face como brinde. Não é um lamento este fato, é um presente! Eu espero, sinceramente que o tempo traga pra mim, em alguma hora, coisas que eu tenho almejado agora. Assim como anos atrás eu desejei, e sofri, e chorei... e ele me provou que nada nesse mundo é eterno.
Já diziam "dê tempo ao tempo"... e eu tenho aprendido que ele sabe exatamente quando estaremos prontos pra receber nossos prêmios.
Tempo... que rima com o vento, que passa sem vermos, mas o sentimos... na pele, nos rastros, nas flores que plantamos no jardim.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Good memories

Tenho gostado de relembrar algumas cenas. Eu sei... isso às vezes maltrata um pouco o coração, mas a sensação momentânea é quase que uma droga - deve liberar algum tipo de hormônio viciante e aí tem umas sensações muito boas que preenchem o corpo.
Também tenho gostado de pensar que quase tudo é passageiro, que o amanhã é tão incerto que não vale a pena sofrer por algumas coisas sem saber o que, de fato, vai acontecer. Todas as pessoas são mix de sentimentos, de vontades, de razões próprias e o que leva alguém a cometer uma ação é uma motivação momentânea. Motivações vão e vem... e quando nos fazem sair do lugar é porque estão sendo maiores do que as coisas que nos puxam pra direção contrária.
Existem algumas certezas que me favorecem (de alguma forma), sim... algumas interpretações, vestígios, detalhes no quais acabo me apegando pra me deixar um pouquinho mais alegre, mas isso está guardado no meu peito, não quero exagerar (e nem devo!). Eu gosto de sentir carinho pelas pessoas, gosto de cultivar boas lembranças... não consigo guardar algo negativo por muito tempo. Sempre passa... 
Mas sabe, eu fico dando tantas risadas de tudo que já se passou até aqui... e caramba! Se eu pudesse parar pra refletir - e sempre paro - diria que EU SEI QUE NÃO DEVERIA, mas eu faria tudo de novo! Porque eu sou assim... movida a aventuras, a altos e baixos. Não funciono em linha reta, não escrevo canções quando não vivo coisas emocionantes. Não gosto de mudanças. Não gosto de estar longe de pessoas que eu gosto de verdade. Não gosto de sentir do outro que estou sendo evitada... Gosto de que minha presença seja verdadeiramente notada, querida, almejada. Gosto de conversar sobre o nada... perder horas falando bobeiras, mesmo que no whatsapp. Mas também não acho perda de tempo. Acho que conversa é investimento de tempo... investimento em sentimentos bons, em proximidade de quem importa estar perto, de quem faz falta quando some. A vida é relacionamento.
É... eu tô bem, antes que questionem. Bem até demais...
Só acho que queria escrever um pouco porque isso me ajuda a não deixar sentimentos me sufocando!

That's it!! Um beijo pra vocês... Minha semana foi fantástica. Espero que a próxima já comece na mesma vibe!

E pro meu "leitor favorito" que aparece às vezes pra checar meus desabafos, um recadinho: Te adoro, viu!? Você é um dos que me fazem falta as horas de investimento com conversas atoas. Só não precisa ficar achando que tudo é pra você. Se bem que mesmo eu dizendo isso, você vai achar que é mesmo... rs. Bem, fica aqui meu beijo e um puxão de orelha pra quem diz que liga em 10 minutos e só retorna horas depois! ;)

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Tropeçando

Tropecei de novo!
Parece, assim, que nunca aprendi.
que nunca cresci.
Eu já devia saber,
que quando parece tão irreal
é que talvez não seja pra ser.
Por um instante, até acreditei
que não iria doer,
que nem foi assim tão interessante.
Mas quando o dia começa,
e a mente não descansa,
fica aqui uma saudade,
de estar tudo bem,
mas eu sei...
você nunca foi meu, meu bem.
Mesmo assim...
quero te ver mais além,
que apesar dos pedaços,
dos rasgos,
você ainda é melhor longe de mim!

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Velhos refrões

Cansei das velhas canções,
dos velhos acordes,
dos antigos refrões.
Claro que lembro das notas,
as que soaram tão bem,
sinto falta, também,
mas não basta!
Mudei o estilo,
refiz o caminho,
mas parece, ainda, que nada mudou.
É que apesar do novo,
minha voz ainda é a mesma,
o meu eu ainda preciso enfrentar,
mas já digo, amor
dessa vez eu não erro,
eu ainda te faço cantar!

terça-feira, 8 de setembro de 2015

About Myself...

I was feeling strange, but after this weekend i'm really very, very good with myself!
I don't know ... I'm feeling so free to make my own choices and make my own way.
I was with good friends and lovely people - people that i love so much - and so i understood that i was wasting my time with bad things in my mind, so i decided to let these things go away!
What things are these??? This is not about love, okay!? But this is about what I really am!
No one knows what i was really thinking ... but i'll tell you now: i was so afraid, afraid to fail, to be doing the wrong choices ... I was believing that i'm not enough to make my dreams come true ... I was trying to be strong, but in fact i was being so small ... so child.
Guess i need to learn! No... guess not. I'm sure: I need to hear the wise people!
That's it!

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Pinturas

Estive pintando o coração de tantas cores, com tantas formas, procurando o contraste perfeito afim de obter o amor mais bonito. 
Primeiro o amarelo da alegria, da descoberta, seguido do azul tão misterioso, sereno e, enfim, o vermelho... Ah! Minha cor favorita, me fez pensar que eu tinha controle das pinceladas.
Me encantei com seus tons, com suas matizes... que exagerei! Toda a pintura agora estava avermelhada e então já não sabia mais o que pintar.
Em um gesto de loucura, misturei todas as cores e num segundo o quadro estava negro.
Fiquei por um tempo a observar, deprimida... tentando entender porque deixei uma única cor destruir toda a tela.
Levantei-me, peguei aquela tela e atirei pela janela. Lavei às mãos sujas de tantas tintas. A princípio foi difícil... nem mesmo o sabão conseguiu retirar toda a sujeira de uma só vez.
Coloquei uma nova tela no lugar da antiga e, antes de pintar algo, parei para planejar quais cores seriam importantes para deixar tudo mais bonito. Então chegou um moço, e me trouxe de presente um novo pote: "Você nunca foi de usar essa cor".
Abri, olhei... VERDE! Pensei: "Por que não?".
Peguei o pincel, ainda fino, e com aquela nova cor fui esboçando um novo desenho, totalmente diferente dos antigos já feitos. Verde... sorte, leveza... esperança!
Espero que no final, vire um belo quadro - pra eu te emoldurar!

sábado, 29 de agosto de 2015

Tá bom!

bom, deixa assim que tá bom!
Tem hora que até perco a fala,
desencontro as palavras,
sobra só o "ai ai".

Confesso, assim é mais fácil,
desatamos os laços,
deixamos só o que é bom.

Tudo tem sido tão morno,
maresia, sem vento, nem tempestade.
Eu preferia o caos, juro!

Mas tá bom! Demore!
Eu não tenho pressa.
Prefiro a calma...

De deslizar na sua pele,
encontrar os mínimos detalhes,
o seu sabor, meu bem,
é doce!

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Tá tudo bem

Não sei dizer,
mas nunca soube mesmo!
Tanto faz...
Você parece ser um bom chute.
Eu até achei, meu bem, que iria demorar
pra você aparecer,
pra você me fazer ver,
que tudo podia ser diferente.
E como todas as vezes em que foi pra ser,
as coisas vão acontecendo devagar,
sem pressa,
porque quando é pra se fortalecer,
cada tijolo precisa ser colocado no lugar certo,
pra no fim se conseguir
uma estrutura ideal,
que segure o medo,
que segure o mundo ao redor.
E se você quiser me amar, eu digo...
Dessa vez tá tudo bem!
Talvez seja bom alguém,
pra ser algo mais além...
pra eu não precisar mais querer pouco,
pra eu poder ser o muito,
algo mais... que o às vezes.

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Reinventing

Ah! Como as coisas estão tão leves...
Após uma semana completamente conturbada em todos os aspectos - na qual faltou, talvez, um empurrãozinho pra que eu pirasse - finalmente tive um fim de semana revigorante.
Percebi que sozinha eu não daria conta de ajeitar meus pensamentos e, então, fui buscar uma forma de retomar o controle sobre todas as coisas. Acabei recebendo a oportunidade de fazer tudo ser diferente... claro, depende de mim! Às vezes ainda fraquejo, mas sinto que tudo está caminhando pra dar certo.
Acordei nessa segunda-feira satisfeita com o como estava me sentindo e tendo certeza que tomei decisões certas! Agora é agir, enfiar a cara nos projetos, afinal de contas tenho CERTEZA que tenho potencial pra alcançar meus objetivos.
O que talvez ainda machuque é o fato de saber que algumas coisas terão que ser sacrificadas, que alguns erros vão precisar deixar de existir. Dói de verdade! Chega, às vezes, parecer insuportável... talvez porque a gente acostuma com algumas coisas, bobeiras, hábitos ruins que não fazem bem, mas a notícia boa é que em matéria de se reinventar sou craque. É fato que sempre precisamos fazer escolhas e a minha não é segredo pra ninguém... Eu escolho ser feliz e como todos já ouviram: farei um show no mineirão lotado e quebrarei uma guitarra! rs
Aos amigos que estão aí pra somar, que sigamos juntos. Aos que magoei, peço perdão... não andei sendo a melhor pessoa que posso ser ultimamente, mas vou ir melhorando.
No mais, contem comigo...
Um grande beijo e um queijo! =)

Ps.: A um dos meus leitores "favoritos" - por favor, pare de achar que tudo que escrevo é sobre você e pra você (apesar de às vezes ser mesmo, mas só às vezes - prometo que parei)! kkk

sábado, 22 de agosto de 2015

Bobeiras!

Eu errei, tropecei, ensaiei, exagerei.
Fiz meu jogo achando que iria ganhar,
mas pra quê?
Se todos os detalhes que planejei se voltaram contra mim,
Se todos os caminhos que tracei me afastaram do meu objetivo...
Não sei o que aconteceu, certamente.
Me perdi nas palavras,
te fiz acreditar em coisas que nunca importaram e agora... o agora não sei se é como esperei.
O agora não "existe".
Enfim trocamos de lado, de intenções.
Viramos do avesso!
Ah! Que pena!
Se a gente não tivesse complicado...
Se a gente tivesse deixado tudo ser tão simples, como deveria...
Poderia ser alguma coisa divertida, apenas!
Eu fui te ouvir, acreditar...
Agora espero remendar os rasgos, os estragos,
sem que fiquem estranhezas,
pois fazem falta as bobeiras, sem se preocupar ser nada além de bobeiras.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Like a Teenager!

Sempre me achei tão crescida! Sempre me achei tão madura!
Acontece que quando a gente se pega com o coração amolecido, as coisas mudam. Principalmente quando o assunto é chamar atenção, sentir ciúme ou querer retomar o controle de uma situação na qual você o perdeu. Aí, meu amigo, tudo muda! Você fala, posta, importa com coisas banais.
Me senti assim essa semana.. falando demais o que eu não devo, agindo de forma infantil e sendo uma babaca! Reconheço! Perdi a razão...
O que posso fazer é pedir desculpas e tentar aprender alguma coisa com isso! Preciso retomar o controle sobre meus pensamentos e isso já está em processo!
Não quero ter essa imagem de adolescente imatura... mas sei lá, às vezes a gente precisa desabafar pra que o peso não fique todo no nosso interior. É a vida e vida que segue!
Bora em frente!
Beijo!

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Sendo inconstante.

Que sou um ser completamente mutável eu já sei, o que não sei e não consigo entender é porque fico remoendo tanto alguns fatos sendo que EU JÁ SEI que algumas semanas são suficientes pra me fazer esquecer. Minha cabeça é de vento... isso não é segredo pra ninguém.
Hoje tô amando, sofrendo de saudade, caçando ciúme onde não tem, amanhã eu nem lembro que tal indivíduo me fez cair de amores. Como diz Daiana Sampaio: Me fazer apaixonar é fácil, difícil é me manter interessada!
Ainda bem que tenho meu lado musical pra me lembrar de todo mundo que já me apaixonei por aí... e o bom é que canções quase sempre são atemporais! Daí consigo reciclar os amores!
Nem sei onde quero chegar, o que quero dizer, apenas, é que me fazer apaixonar, escrever uma canção ou me fazer cometer alguma loucura é muito natural (é assim sempre), mas pra ficar marcado tem que conseguir muuuuuito mais que isso! Só de paixonite tem que me arrastar por meses... porque sou um bicho que enjoa fácil de tudo! Como disse: mutável! Minha opiniões não duram muito, nem meus desejos...
Só meu sonho que desde criança é o mesmo e acho que nem preciso citar! rs... Quanto aos objetivos, tô precisando de foco!
Agora melhor ir dormir que já tô filosofando um bucado!
BeiJOKA! <3

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

O que gosto e não gosto!

Sempre odiei as coisas pela metade.
Gosto do inteiro, da presença, do intenso.
Não gosto de não ser suficiente,
pra fazer qualquer coração acelerar,
Eu gosto é de ser o motivo
de ter coragem de cruzar o mundo,
pra viver uma aventura sem pé nem cabeça.
Gosto de não ter que pensar em mudar o que sou,
de não ter que achar que falta alguma coisa em mim,
pra fazer alguém me escolher,
pra fazer alguém cometer qualquer loucura absurda por aí,
só pra me ter.
Gosto de quem me deseja por inteiro,
que quer meu melhor e meu pior,
que não precisa sentir medo,
em me lascar um beijo na boca,
quando for se despedir!

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Seria amor?

Tanto falaram sobre amor,
que eu quase sempre acreditei.
Esbocei os mais singelos versos,
até que então cresci e desacreditei.
E aquele quadro tão bonito,
aquelas cores tão vibrantes,
escorreram pela tela,
desmancharam nas mentiras.
O ato de chamar de "amor",
ou até dizer "eu te amo",
se torna algo teatral,
e fazem isso todo dia,
todo santo dia,
mas a noite, ah, meu bem,
onde é que você vai?
Se você sente mesmo essa magia
que dizem que é o amor,
Você não deveria...
Eu sei que o tempo traz,
inevitavelmente,
a maresia,
mas... até onde sei,
se é amor, não vale a pena
uma simples fantasia.

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Férias e muito amor!

Julho chegando, fim de semestre, muito trabalho na RE/MAX, projetos a mil, coração disparado, cansaço! Ah! O estresse estava me deixando maluca... queria achar respostas que eu não tinha, fazer coisas que não podia, decidi aproveitar o fim do meu contrato de estágio na RE/MAX pra tirar um tempinho de férias e sair um pouco de BH pra esfriar a mente.
A princípio quis passar um tempo no exterior, fechei as coisas para ir a Vancouver, mas acabou que o tempo ficou curto pra todos os processos serem finalizados até a data da viagem. Fiquei um pouco chateada, mas os planos não morreram, apenas foram adiados.
Dei adeus pro Canadá e um olá pra ideia de ir à praia. Pensei em visitar o nordeste, afinal de contas nunca estive por lá... mas algumas conversas aqui, outras ali, planos acolá me fizeram decidir pelo Rio de Janeiro.
No fim das contas tudo mudou, fui fazer uma viagem não muito planejada, até porque essa coisa de ficar programando me deixa ansiosa e estressada. Pintaram alguns trabalhos pra fazer em Juiz de Fora na RE/MAX Total e no meu primeiro dia de férias segui rumo pra lá. A princípio não apostava muito na cidade, achei que era pequena... planejei ficar lá de sábado a terça, maaaaaaaas.... como sempre os planos não permaneceram! Fui recebida pela Jô e sua família e de cara já me enturmei com eles. Essa turminha fez eu me sentir em casa e em menos de 1 dia eu já estava amando eles. Resultado??? Me apeguei e agora me sinto como se fosse da família. Segundo a Jô, sou a adotada! rs

Gu, eu e Jô no Morro do cristo.
Mari e eu experimentando o drink de maracujá no Bartô.
Me fizeram tomar essa jarra inteira sozinha!! rs
Acabei ficando em Juiz de Fora até sexta-feira de tanto que gostei da cidade. Lugar alegre, com pessoas fantásticas e animadas... e comilonas, né? O que mais fiz em JF foi comer! Saí bastante com os friends lindos e também fui muito bem recebida pela RE/MAX Total (onde só tem gente fantástica).
Eu no último dia na RE/MAX Total! AMEI!
Vista de Juiz de Fora... ô cidade linda, gente!
No sábado segui pro Rio que fica do ladinho de JF! Fiquei até segunda a noite... não tinha muito sol, o tempo estava bem fechado, mas fui à praia assim mesmo. Lá fui recebida pelo amigo da Jô, o Eduardo. O rapaz me guiou durante toda a viagem e me levou pra conhecer várias coisas legais. O mais legal foi ter conseguido entrar de graça no show do Nando Reis na Fundição Progresso e encontrar uma super amiga de BH lá... Carlinha!! Daí pra frente foi só festa!

Carol, Carla e eu no FestValda. Curtindo show do Nando!
Pezinhos na areia acompanhada do presentinho que ganhei em JF!
Um papo com meu camarada! rs
Fazendo um lanchinho com Carla e Eduardo! tarde incrível!
Segunda a noite voltei pra JF pra pegar uma carona de volta a BH, mas passei por aqui apenas pra trocar a bagagem e partir pra estrada de novo. O próximo destino foi Uberlândia!
Cheguei na quinta cedinho e fui recebida pelo meu querido Astro Sírio, broker da RE/MAX Astro em Uberlândia. Fiquei pouco tempo por lá, mas consegui fazer muita coisa. Visitei a RE/MAX Astro e a RE/MAX Acerti. Encontrei alguns amigos que não via há tempos. O Sírio me levou pra conhecer vários lugares legais e no último dia o Cajubá (Um clube bem legal que tem por lá). Caramba! Nunca vi um céu tão bonito como o de Uberlândia. Acho que lá não deve existir nuvens e o tempo está sempre bonito. Rendeu boas fotos, boas histórias e muito aprendizado com os papos que tivemos por lá.

Eu e esses amores - Sophia, Sírio e Caira. Noite bacana!
Eu e a Lola, cadelinha do Sírio que fiz amizade. rs
Eu e Sírio fazendo pose na fachada super fashion da RE/MAX Astro!
Eu com Uberlândia atrás. Cidade lindíssima!
Eu e Caira.
Turma RE/MAX Acerti... show de bola!
Eu e time RE/MAX Astro. Adorei! 
Bom... O que tenho pra dizer é que 2 semanas pareceram 2 anos! Posso afirmar que estas férias estão no ranking dos meus melhores dias. Mas só foram tão incríveis porque teve a presença de pessoas mais incríveis ainda.
Gostaria de agradecer a cada um que fez parte dessa minha aventura, aos times RE/MAX Total, RE/MAX Astro e RE/MAX Acerti por me receberem tão bem, aos amigos que fiz em Juiz de Fora, Rio e Uberlândia e aos que revi também - vocês são todos show de bola - mas gostaria de deixar uma palavrinha especial a estes abaixo porque sem eles eu nem teria conseguido fazer tudo isso:
Jô, Mari, Gu e Dona Lourdes: Vocês já sabem, mas vou repetir... agora vocês são minha segunda família. Não contei a ninguém, mas dei uma choradinha depois que entrei no carro pra vir embora. Vocês são pessoas muito especiais. Obrigada pelo tempo que me proporcionaram e por tudo que fizeram por mim. Saudades! Mas Setembro tô ai de novo! Amo vocês!!
Eduardo: Moço carioca.. Obrigada por toda a ajuda no Rio. Por sua "causa" não fiquei perdida nessa mega cidade sem bateria e GPS! rs... me diverti bastante na sua terra! Prometo voltar pra gente dar um passeio de scooter e tentar achar um sol (que só sai quando eu não estou aí).
Sírio e Sophia: Acho que nem sei por onde começo agradecer... dei muito trabalho pra vocês aí em Uberlândia - Esquecendo as coisas nos lugares e tendo que buscar, chegando tarde em casa e vocês ainda tendo que me aturar conversando que nem uma tagarela. Merecem um troféu por isso! Obrigada por me apresentarem essa cidade linda, pela companhia fantástica, bons papos e por todo resto que é muito! Adorei passar esse tempo com vocês! 

Bom.. é isso! Espero poder ter várias outras viagens assim!

Beijocas pra vocês!

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Se eu for

Ah! Quanta inocência!
Como pude eu imaginar,
que de um deslize assim,
tanta coisa poderia acontecer?
Andei desafiando o destino a virar de lado
e, se por um acaso eu me perder,
se quando amanhecer eu não estiver mais aqui,
e então você não mais me achar,
é porque, meu bem, eu não quis te machucar.
A culpa é toda minha, o medo é inteiro meu.
Mas digo agora antes de ir,
De tudo isso eu sei bem o que valeu...
Sentir nessas suas mentiras não dosadas, que lá no fundo,
bem lá no fundo,
Eu despertei alguma coisa em você!
Ah! torno a dizer - Quanta inocência a minha!
Eu ficaria mais tranquila se eu tivesse ido pra casa sozinha.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Direto e reto

Gosto de pensar que as coisas são simples. Seguir regras pautadas me deixa agoniada.
Depois de pensar bastante cheguei a uma conclusão que no momento julgo a mais adequada: quero fazer a minha vontade!
Eu sei que a responsabilidade às vezes grita mais alto, que é necessário pensar no macro, nas coisas que envolvem nossas ações e as consequências de possíveis deslizes, mas... o amanhã está muito longe. Na minha cabeça ele é apenas uma fantasia, um dia que talvez nem chegue.
Isso não quer dizer que não planejo o futuro, que não penso nele ou que não me importo. Significa apenas que o presente é MUITO mais importante e viver o presente significa buscar momentos bons agora. Os problemas de amanhã a gente resolve amanhã. Assim a mente fica mais livre.
Eu sei... estou sendo um tanto egoísta, pensando praticamente só em mim. Mas pense bem: Como será que a situação inversa aconteceria? As pessoas nunca serão 100% corretas.
Todo mundo tem seu monstro, todo mundo tem seu ponto fraco.
Tudo que quero agora é a mente livre, pra fazer o que eu quiser, ser o que eu quiser, viver o que eu quiser. Quem tá comigo, vem junto... quem não está, sinto muito!

sábado, 11 de julho de 2015

Eu sei...

Há tempos não sei ser tão sincera como fui há pouco.
Não disse com todas as letras, mas quando é que sentimentos precisam ser ditos?
Quando é que precisamos contar isso?
Quase que sempre sentimentos estão estampados na cara,
estão expostos na forma de agir.
Mas e daí? E daí se eu confessar?
Sou uma tola, uma boba consciente!
Sei onde me enfio, conheço qual jogo eu jogo.
Eu sei.. isso é o pior de tudo!
Sei o que você pensa e prefiro ignorar...
assim está bom, vamos jogar!
Sempre fui boa menina, não sei porque escorreguei
odeio tanto não ter controle de todas as coisas...
odeio mais porque eu sei.
Eu sei... eu vejo... observo.
Você está tão bem.. não sei porque precisaria de mim.

sábado, 27 de junho de 2015

Quando bate saudade

Às vezes é como se nada tivesse acontecido, estávamos lá vivendo nossas vidas normalmente. Cada um com seus deveres. Mas tem coisa na vida que é fatal! Uma delas é essa coisa de ver algo especial em alguém e, na maioria das vezes, isso nem faz tanto sentido... mas é aquela história: quando é que coração faz algo que tenha sentido?
Às vezes bate uma vontade de te ver, de poder ter mais contato. Acordo sedenta de ouvir sua voz... e você falando... sempre as mesmas coisas.
Tem hora que amacia o peito ouvir falar no teu nome (e o sorrisinho de lado que faço nessa hora tá sendo bem difícil segurar - é espontâneo), mas eu gosto. É como um cafuné feito no coração. É um embaraço gostoso que dá no estômago... sei lá!
Eu fico presa aos detalhes, aos olhares, as bobagens... ah! Deixa eu suspirar um pouco, tomar um café sem lembrar de você!
Não é paixão, que fique claro! Só é gostoso esse carinho, essa saudade bonitinha que aparece às vezes e me deixa assim... meio gracinha!
Sei lá... esses goles de você fazem bem pra minha alma, mesmo quando eu digo "não", decido esquecer. Não resisto ao seu jeitinho de mocinho engomadinho... ô meu Deus, que tentação!

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Não sei o que estou fazendo!

Não sei o que estou fazendo!
De repente estou correndo pra todos os lados,
como um inseto que foge do perigo,
mas é como se estivesse parada,
movendo-me, cansando-me, 
ironicamente ficando no mesmo lugar.
Os erros, os medos, as ansiedades
se confundem, se tornam grandes mares.
Me afogam, agoniam e - depois - se vão com o cansaço!
Ah... tão conturbado! 
As certezas não duram nem segundos,
e o coração... ah, o coração tá lá:
confuso, desacreditado que o amor existe no outro.
Só acredita em si próprio.
A razão culpa, diz que tá tudo errado,
mas o corpo insiste em cometer os mesmos erros, SEMPRE!
Se doa, quer perto o que não pode,
até parece querer sofrer.
Essa ambiguidade toda dava até um livro,
porque a gente sabe que só tem história pra contar
aquele que se permite intensamente viver.

sábado, 13 de junho de 2015

Amor que é amor

O melhor amor é aquele que pode ser sentido sem pressa.
Ele vem e te faz mudar os planos, mas conscientemente. O amor é, verdadeiramente paciente.
Espera, planeja, se acalma.
Chega devagarzinho, sereno, tranquilo, trazendo paz pra alma.
Amor que é amor prefere um canto escondido, esquece toda exposição.
O melhor momento é o que se tem a sós, longe de toda claridão.
Você não sente medo, nem precisa se explicar.
Se o outro te encanta, não há nada nesse mundo que o fará desencantar.
Qualquer contrário disto é paixão, fogo de palha, voo incerto, veículo sem direção.
Não se engane... amor só é amor quando faz voar a mente, mantendo os pés no chão.

domingo, 7 de junho de 2015

Estrago

Tá tudo bem, meu bem
se você está por perto,
Tá tudo certo!
Se não está, sempre tem alguma coisa fora do lugar, que não funciona...
Tudo dá errado!
O café pela manhã se torna frio, o sol se põe mais cedo...
e eu aqui, sabendo
que não é pra ser, que é melhor esquecer
e mesmo assim insisto,
nesses devaneios, me perco,
maltrato a mente pensando no que eu deveria ter feito.
e o ciúme bate, dilacera o peito como um grande rasgo...
Ah! Que estrago!
Trágico!
Seria mais fácil se eu não tivesse me apaixonado!

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Quando entardece...

E quando estou só, quando vai entardecendo, eu me lembro da gente.
As noites longas, as piadas ruins e essa sua boquinha cor de amor não saem da minha mente.
Você poderia estar aqui, mas sei, meu bem, o quanto isso é tão difícil.
Apesar de, às vezes, parecer ser tão real, conheço bem essa paixão pelo tal do impossível.
Seria ideal pensar em nós sem ao menos preocupar,
que antes mesmo do " talvez", temos um "não" pra atrapalhar.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Freedom

Por algum tempo eu tive preguiça de colocar as coisas em ordem. Pensei: Vou perder meu tempo excluindo fotos, é muito trabalho pra uma coisa tão insignificante..."
Mas agora eu vejo que isso faz algum sentido! Não tem como coisas novas acontecerem se de qualquer forma, pequena ou grande, o passado fica perto da gente.
Esses dias eu não me senti muito bem, as coisas não aconteceram como eu gostaria. E isso soa tão estranho, porque já faz um tempo que eu sinto estar vivendo a melhor fase da minha vida. Não tenho tido medo do futuro, mesmo correndo riscos... sei lá! Eu acho que o agora é muito mais importante, é a única coisa que nós realmente temos! Eu nunca imaginei que pensaria assim, nem mesmo imaginei que estaria como estou hoje. O passado morreu pra mim há tanto tempo que é como se não houvesse existido.
Agora? O agora tem sido fantástico, apesar de às vezes doer aceitar as mudanças. Mas que mudança não dói?
Às vezes meu coração se despedaça, vivo me apaixonando por aí... eu acho que isso é coisa de quem vive de arte! Só pode! Mas o que mais gosto disso é que sempre que me pego apaixonada, lindas canções surgem do nada.
Acho que mudei porque tenho visto o lado positivo das coisas e, apesar do estresse do último mês estar acabando com meu humor, da vontade imensa de largar a faculdade só aumentar, quando consigo fazer alguma coisa que gosto no meio de toda a bagunça que está minha vida, é nesse momento que percebo: há tempo pra tudo. As coisas vão se ajeitar!
O importante agora é que separei um tempo pra mudar tudo, pra me libertar... troquei os móveis de lugar, voltei a correr, refiz minha agenda diária. Todo dia preciso estudar inglês uma hora, treinar técnica vocal e adiantar os trabalhos. Aproveitei a organização pra me desfazer de todos os arquivos eletrônicos que já não me servem mais: fotos, vídeos, textos... tudo...
Eu quero a sensação de estar LIVRE! Ah, como é bom!

sábado, 23 de maio de 2015

Mar azul

Eu tentei, juro.
Fiz de tudo e um pouco mais,
mas, querido, isso é tão difícil 
que me assusta um pouco

Tirar os olhos de você
é simplesmente impossível.
Você é quase uma droga
perfeita pra mim.

E então todas as noites, quando vou dormir,
eu me lembro de quando estivemos juntos.

Dizem que o azul traz calma, mas não pra mim.

Eu gostaria mesmo é de me afogar
nesse mar azul que é teu olhar

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Changing...

É... As coisas mudaram radicalmente! Eu principalmente!
Sabe quando você se olha no espelho e enxerga o oposto da pessoa que você sempre foi? Então... É o que acontece comigo agora!
Tudo que eu ainda guardava como certo ou errado pareceu se desfazer na minha frente. Parece que os limites entre essas duas razões estiveram bem próximos nos últimos dias. 
O que é realmente certo? O que é realmente errado?
Eu me lembro que há exato um ano atrás eu jurava pra mim mesma que eu nunca seria egoísta a ponto de querer algo sabendo que aquilo poderia ferir outra pessoa, mas sabe... hoje parece tudo tão diferente. Se eu me dissesse lá atrás que eu estaria como agora, certamente, eu duvidaria de mim mesma.
Não sei se meti os pés pelas mãos. O que sei é que preciso ter cautela, coisa que eu nunca precisei! Tudo que eu não preciso agora é de achar mais problemas pra resolver, mas acho que exatamente por isso tenho aceitado viver situações inusitadas... Confesso que não estou acostumada a ter que levar o "não" e isso me prejudica de forma assustadora!
Quando algo contraria a minha vontade, eu simplesmente FAÇO DE TUDO pra que aquilo aconteça, porque não aceito o não. Eu sempre quero o Sim! Resultado? Estou deixando de enxergar as consequências... ou será que estou exagerando? rs
Tanto faz... porque ainda tem o lance do coração. Fico me perguntando se eu gosto mesmo é dos desafios. Quem tá fácil eu não quero,. Já os que não podem, que estão longe ou que não me querem sempre parecem mais atraentes!
É... acho que vou apagar isso da mente e ir dormir que eu ganho mais!

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Amores irônicos

Foi estranho!
Nem mesmo entendi o que estava acontecendo,
tudo foi tão rápido que pareceu nem acontecer.
Fico pensando... por quê?
Será que eu deveria ter me arriscado um pouco mais?
Ousado mais?
Pareceram anos em dias, quanta ironia!
E volto a dizer a mesma coisa...
Ao mesmo tempo que me perdi, também me achei.
Então eu me lembro daqueles olhos, quase um mar...
Me lembro do pouco, mas prefiro apagar.
Assim eu não sofro, não caio no mesmo clichê.
Amor só é bom de verdade quando a gente pode viver.

domingo, 10 de maio de 2015

Convenção Nacional da RE/MAX 2015

Bom... Se da última vez que fui a São Paulo não imaginei que as coisas poderiam me surpreender, dessa vez eu realmente fico sem palavras pra conseguir descrever.

Eu no auditório Geral da CN RE/MAX 2015

Nos dias 7, 8 e 9 de maio aconteceu a Convenção Nacional da RE/MAX e eu pude participar pela primeira vez. A princípio não acreditei no que diziam: "Depois da convenção, você vai mudar a sua visão sobre a RE/MAX"... Na verdade, já faz tempo que tenho criado um certo amor por esta empresa e tenho ficado muito satisfeita de ter ajudado de alguma forma, mas depois da CN (Assim que vou chamar a convenção durante o texto, rs) isso realmente se confirmou: Eu não poderia estar num lugar melhor!

Eu e Larry, vice-presidente da RE/MAX no mundo.

A viagem foi bem corrida e não deu tempo para muitos passeios, a não ser a noite, depois das palestras, mas apesar do cansaço acumulado e de toda a correria, o que posso dizer é que aprendi muita coisa e, além disso, tirei desta convenção muita motivação para inovar e buscar fazer esta marca crescer.

Família RE/MAX Minas Gerais

Outro ponto que eu realmente me impressionei foi o networking mundial. Durante a CN eu tive a oportunidade de conhecer pessoas de outros estados e também de outros países. Conversei com muita gente, fiz muito contatos e conquistei novas amizades. Foi legal arriscar meu inglês... apesar de nem sempre eu ter me saído 100%.


Eu e Bret mostrando que existem vários tipos de talentos na RE/MAX. We are a Rockstars, baby!

Eu com franqueados e palestrantes

Além do aprendizado, também me diverti bastante... na quinta começamos na Le Rêve, na sexta Pizzaria da Famiglia Mancini e no sábado, após a noite das Estrelas, na qual nossa regional foi premiada várias vezes, fomos todos para o Bar Ponto. 


Queridos amigos de MG

Cesar! =)

Eu e nosso diretor da RE/MAX Minas Gerais, Pedro Pote! 

Nós e Marco Mello.. o cara da flórida! hahahaha

Foi muito legal confraternizar com todo o pessoal da RE/MAX Minas Gerais... realmente arrasamos nesta CN! Agora já estou pensando na próxima edição e quem sabe, talvez, na Convenção Internacional em Las Vegas...
Enfim.. esta experiência, certamente, entrou pra história. Foi indescritível tudo o que senti participando de um evento de extrema grandeza como este.
Valeu RE/MAX!

sexta-feira, 1 de maio de 2015

São Paulizada!

Olá, pessoal! Como estão?
Bem.. estive em São Paulo neste último fim de semana e, como sinto falta de contar minhas aventuras por aqui (tanto porque gosto de escrever, quanto pra guardar as coisas que vivo) resolvi vir contar como foi a minha viagem.
O motivo desse meu deslocamento em meio a um Abril conturbado foi fazer um curso na agência de modelos que me associei recentemente, mas aproveitando a necessidade e meu amor pela cidade de São Paulo, decidi que seria interessante estender a viagem de sexta a segunda para que eu pudesse passear um pouco, afinal de contas, mesmo tendo ido várias vezes a SP, nunca estive por lá sozinha.

A aventura começou cedo na sexta-feira, ainda em BH. Como sou meio neurótica com essa coisa de ter medo de perder o voo, cheguei ao aeroporto de Confins faltando duas horas pro embarque. Me disseram que era brega postar foto das nuvenzinhas, então não postei. Mesmo já tendo voado de avião antes, eu nunca tinha fotografado o céu.. poxa! Eles dizem que é proibido! Dessa vez quis quebrar as regras... tirei um bucado de fotos das nuvens, do céu e o mais legal: O avião nem caiu! rs
Cheguei em Sampa 12h30, fui direto encontrar a Paulinha. Confesso que foi uma barra o trajeto ônibus, metrô, caminhada... antes mesmo de chegar na casa dela eu já estava cansada! Enfim.. deixei as coisas na casa dela e fomos para os Jardins pra que eu visitasse a RE/MAX Brasil.


Ficamos lá por um tempo, me senti super em casa... aaah, como adoro esta empresa! Me sinto feliz de fazer parte dela.. até achei artes feitas por mim espalhadas pela Universidade RE/MAX! FOI LINDO!
Saímos de lá direto pro Starbucks porque eu nunca tinha ido em um. Resultado? Como boa mineira que sou, adoreeeeeei!! café e comigo mesma... ainda mais se tiver de todo tipo!
De lá seguimos para casa da Paulinha arrumar pra sair a noite.
Fomos pro TEX Bar, um lugar muito legal que tem boliche, karaokê, pista de dança, sinuca, totó... e um monte de outras coisas.Conosco estavam mais 3 amigos, o Cezar, Massao e o Ícaro... estes que simplesmente adorei conhecer! Tudo bem que fui zoada por causa do sotaque mineiro e de tanto falar "trem" e uaaaai... ser mineirinha em Sampa não é mole não! hahaha
Nos divertimos a noite inteira e eu, depois de uma dose de Alexander, não tava dando conta de acertar as bolas na sinuca! rs..





Depois de dormir às 7h e ter que acordar às 10h, fui em direção aos Jardins de novo pra poder fazer o curso. Cabeça tava meio doendo... tive que tomar umas neusas pra dar conta, inclusive, da dor no corpo de tanto andar. (não sei porque em sampa acham que 1,5Km é perto, imagina isso multiplicado por 3??)
Fiz o curso meio que zumbizando e no final peguei uma carona com um pessoal que conheci lá, achando que economizaria passos até a Av. Paulista. Resultado? Me deixaram em Pinheiros e de lá tive que cruzar a cidade até o Jabaquara. Cheguei morta e ainda com alergia, daí vai mais um dorflex e histamin.. fiquei meio desanimada porque não tinha ninguém pra sair, daí conheci o Waren, amigo do Cezar que acabou me arrastando DE MOTO pra Tatuapé. Tava meio desmaiada, mas deu tudo certo mesmo com a chuva.. rs. Experimentei um cachorro-quente que mais parecia um misto-quente e depois fomos dançar naquelas lojas de jogos. (dançar com dor no corpo não foi um escolha sábia, definitivamente).
Fui dormir perto das 4h.. se me recordo bem, se é que me recordo. Apaguei!




Acordei perto das 11h, e comecei a pesquisar o que faria no domingão. Não tinha ninguém disponível pra me apresentar alguma coisa e Só iria encontrar a Ciça as 17hs. Mais uma vez o Waren me salvou... me levou pra conhecer o Liberdade e comer comida japonesa, o caótico parque Ibirapuera (que eu achei que seria um lugar pacífico, mas se parece mais com uma versão verde do metrô, rs). Depois de lá fui ver a Ciça, do outro lado da cidade, em Interlagos!


De lá, Jabaquara e depois Guarulhos... fui pra casa dos pais da Paulinha. Cheguei as 23h. Só deu tempo de uma atualizada nas news e cama pra acordar as 5h30 pra voar de volta a BH.
Bom.. eu tentei resumir ao máximo pra não ficar um texto muito longo, mas apesar de corrida e cansativa, provavelmente esta foi uma das melhores viagens que fiz. Conheci muita gente nova, lugares novos, me diverti à beça e vivi aventuras que nem dá pra escrever aqui.. rs.. Até ganhei um pen drive super foda (em formato de câmera) do Massao. Olha que coisa mais linda!


Enfim... decidi  que vale muito a pena passa o finde em Sampa, já que a passagem, se comprada com antecedência, é bem barata e o que se gasta por lá é equivalente ao que se gasta em um finde por aqui em BH. Com toda certeza farei este trajeto mais vezes, principalmente pra rever toda essa galera linda! Só espero estar mais descansada da próxima vez pra poder conseguir aproveitar melhor o bate perna, porque vamos combinar, né!? Tudo em SP é longe! kkkk
Agora segura a onda que dia 07 de maio já tô lá de novo pra Convenção Nacional da RE/MAX!
Um beijo pra vocês e até a próxima aventura! 



domingo, 19 de abril de 2015

Sobre quem devo amar

Demorei muito pra te encontrar,
fiquei perdida tanto tempo, 
procurei felicidade onde jamais existiria.

Então como quem abre uma porta,
você chegou!
Me mostrou que eu precisava acreditar mais em mim
que eu não devia ter medo de me exercer,
que eu não precisava de mais ninguém
pra poder andar na vida.

A partir daí então, nunca mais me senti fraca.
Não quis procurar em qualquer babaca,
um quase amor que é tão vazio;
e quis investir todo meu tempo em mim mesma.

Crescer sem pensar em limitar,
ir pra qualquer lugar e ser extremamente eu
completamente eu, sem receios.

Obrigada, sem você nem sei porque ainda estava viva,
agora sei que não sou mais qualquer menina tímida,
Amor próprio, você mudou tudo!

sexta-feira, 17 de abril de 2015

O Poeta da Jaqueta de Couro

Você veio, bem devagar, me fitou com um olhar.
As sobrancelhas franzidas, ar de mistério e sorriso discreto.
A jaqueta de couro, botas, o cigarro e o ronco da motocicleta me faziam querer te emoldurar.
Sem citar seus contos, suas rimas, e aquela sua voz que faria qualquer mulher se arrepiar.
Me beijou devagarzinho, quase que ironizando sua postura de homem selvagem.
Deixou no meu peito o gostinho de quero mais e a sensação de parecer viciada.
Rendeu-me bons versos nas madrugadas em que imaginei nós dois.
E só. Foi embora, como se nunca tivesse me visto.
Agora releio meus versos, caramba! Como é que você fez isso comigo??

domingo, 5 de abril de 2015

Sonho!?

Sente-se aqui, meu bem, bem do meu lado. Vou te contar todos os sonhos em que vi nós dois caminhando.
Eu vou dizer: tudo bem, todas as coisas tem uma razão pra acontecer. Olha só esse sinal, veja como é tão claro.
Olhe pro céu durante a noite, enquanto o vento balança as cortinas da sua sala... se você sentir ali, dentro do peito, um vazio...  Alegre-se!
O seu amor já chegou! Quando o vento soprar, o vazio se encherá de amor... e você vai saber, meu bem, a quem confidenciar o seu coração.
E deixe ali que a amizade floresça e dê espaço pra uma história completamente nova, na qual a dor será apenas mais uma palavra que consta no dicionário.

segunda-feira, 30 de março de 2015

Quando gostar não é o suficiente...

Tem hora que a vida é engraçada, né?
Eu sempre achei que tudo fosse tão simples, principalmente em relação a sentimento. Sempre achei que quando duas pessoas se gostam elas simplesmente ficam juntas... hoje isso não parece mais tão certo.
Quando você começa a enxergar as outras pessoas com carinho e com medo de fazê-las mal, quando você realmente cresce, você se pergunta se gostar de alguém é realmente suficiente para estar com ela.
O amor não é egoísta... Às vezes o melhor é não estar junto porque no fim você sabe que aquela pessoa pode estar melhor sem você, que talvez você atrapalhe em vez de ajudar.
Há tantas variáveis... tantas dúvidas e medos que já não sei se deixo o destino agir ou se quem precisa agir sou eu.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Turn Off

No último fim de semana experimentei de alguns momentos offline. Fui pra um retiro e curti o contato com a natureza.
Apesar de inicialmente me sentir desconectada, o fato de não ter que preocupar com o celular foi um grande alívio. Cada vez mais percebo que este pequeno objeto rouba minha atenção mais do que deveria durante o dia. Sei que hoje isso é uma necessidade, mas vendo que não consigo me libertar da vontade de estar sempre online, tem hora que dá vontade de voltar pro meu nokia antigo.
Enfim... acho que tenho me estressado tanto com a quantidade de informações que recebo, que quando estou longe destas, onde posso finalmente parar pra pensar no que tenho vontade de pensar, me sinto totalmente livre e descarregada.
Bom, este tempo que tive foi bom para refletir sobre todas aquelas questões que já deixei por aqui. Estava sentindo que apesar de atirar para várias direções, não estava acertando alvo algum. De longe as pessoas me olham e me admiram porque executo muitas coisas, porque sei fazer muitas coisas... dizem que não preciso me preocupar porque tenho um bom trabalho, porque sou estudiosa... Mas elas só querem ser como eu porque não sabem o que eu realmente penso sobre isto.
Desde muito nova eu me engajei em muitas atividades, quis aprender de tudo um pouco e me especializei em nada. Hoje faço de tudo um pouco e como comecei cedo, hoje estou num patamar interessante pra minha idade. Não tenho muito e ainda não sou nada, mas do degrau onde estou consigo ver muita coisa.
Tem hora que me pergunto se vai valer a pena estar ativa quase que 24h por dia, se estou esgotando todas as minhas energias pela coisa certa... tem hora que dá desânimo quando me comparo com quem está muito a frente de mim... com gente mais talentosa. Dói quando percebo que não tenho tempo pra fazer o que quero, pra investir no meu sonho... porque pra bancar ele preciso estudar, trabalhar, trabalhar mais, mais e mais.
Como dizem: é a vida! Mas cara... será que vou perder muito se eu largar tudo e for fazer só o que me faz feliz??? Porque de que adianta ser bem sucedido se você não tem tempo pra você??
Eu invejo muito as pessoas que abdicam da coisas normais segundo a sociedade pra correr atrás do que as fazem bem. Isso significa talvez não ter grana, nem diplomas... mas pra que isso serve mesmo? Não seria melhor se sentir inteiramente preenchido? Sei lá.. estou refletindo bastante e com calma pra saber exatamente o que fazer e, principalmente, pedindo direção pro cara lá de cima, mas já posso dizer que estou tendendo a um ponto de virada.
Espero ter coragem...
Mesmo que haja luz lá fora, deixe acesa a luz que tem dentro de você!

terça-feira, 17 de março de 2015

Poderia ser!?

Andei, devagar, vagando, só, acostumei.
O café pela manhã se torna companheiro de todas as horas
que é pra ver se aquece a alma fria, do sereno das noites
mas só eu sei que quando cai a noite, o coração desarma.
A madrugada que chega de mansinho e faz pensar no "talvez"
ah, meu bem, é de cortar ver o que já idealizei se diluir
sem ao menos dizer, se poderia ser...

segunda-feira, 16 de março de 2015

HappyBDay Jojô!

É... eu nasci há 20 anos atrás...
Juro que soa estranho pra mim escrever isso aqui já que por muito tempo eu escondi minha idade. Tudo bem, acredito que tive meus motivos, que pra mim hoje não fazem sentido, mas tive.
Já que estou virando a década, acho que vale uma pequena descrição de como foi o meu vigésimo ano de vida.
Vamos lá... ele começou num espetinho do Cidade Nova, tocando para meia dúzia de amigos algumas canções que escolhi para um projetinho acústico. Não sei o que tinha na cabeça, mas o fato de ter começado meu ano de número 20 cantando foi algo que definiu quase todo o resto.
Apesar disto, comecei este ano com desânimo, sem empolgação, sem acreditar direito... 2 meses depois soltaram uma bomba na minha mão, veio depressão, desespero, BUUUUUUUT... quando quis sair do fundo do poço, saí de vez e com estilo. rs
Fiz uma síntese de quem eu estava sendo e quem eu queria ser dali pra frente. Lutei e ainda luto contra o ego, contra a necessidade de me afirmar e principalmente contra a necessidade de estar certa o tempo inteiro. Reconheci que sou nada, que preciso aprender, que 20 anos não é nada.
Acalmei o coração quando fui provada, quando me tentaram de todas as formas pra ver se eu perdia a cabeça, pra ver se eu armava barraco, não funcionou! Sabe por quê? Porque eu não quero perder o tempo que eu poderia estar cativando coisas boas com coisas que não me acrescentam em nada.
Hoje eu não vasculho mais o passado, se foi o tempo! Já analisei e guardei pra mim o que precisava. O resto apaguei, joguei fora.
Cheguei na reta final deste ano achando que estava cheia de dúvidas, que a crise dos 20 estava atacando, mas a última semana me trouxe muitos aprendizados e certezas de que fiz  a escolha correta quando decidi investir em mim.
Agora, oficialmente começando meu 21º ano, eu sei exatamente o que busco: FOCO. Foco na minha carreira, ou melhor, nas minhas carreiras. Quero investir todas as minhas energias em crescimento profissional e aprendizado nas áreas que amo.
Daí vieram as perguntas: e o resto? e o coração? não quer um relacionamento?
O resto é segundo plano. Não é prioridade agora me envolver com ninguém, até prefiro não entrar num relacionamento exatamente porque cuidar de mim já tem sido muito trabalhoso. Se pintar alguém legal e o momento for propício, aí a gente revê o conceito.
O que busco é melhorar como pessoa, tentar cada vez mais viver sem ferir os outros mesmo que isso seja uma missão complicada.
Se preocupo com grana? Não... preocupo com as contas. Quero ter o que for suficiente pra investir em mim.
A meta desse novo ciclo que se inicia é amadurecer, crescer, aprender, cativar mais amizades, conquistar mais relacionamentos, buscar novas inspirações e principalmente correr atrás do meu sonho e agarrar as oportunidades que surgem!
O Sorriso ainda é o mesmo, mas com algumas bagagens a mais.. =)



quarta-feira, 11 de março de 2015

Milkshake de Informações

Sou um livro indecifrável, minha mente é um caos. Vivo com a cabeça cheia e são poucas as coisas que conseguem me manter focada por muito tempo.
Sério! Nem sexo, nem filme, nem nada..
Não me dê mais do que duas opções, isso pra mim é tortura. Já não consigo me decidir quando só tenho duas..
O tempo pra mim é a chave de tudo. Ele vai e vem, traz e leva vontades, medos e aprendizados. O pior é que não tenho tempo. Pior ainda é que meu tempo é inconstante... minhas opiniões não duram. Sou um ser completamente mutável.
Hoje eu tô perdida de amores por um ser, amanhã por outro, depois aparece aquele que é tão bonitinho, o outro que é feinho, mas é gente boa né? Daí vai embolando casos, nem lembro mais de quem gostei no dia anterior.
Agora quero comer doce, depois vou querer salgado. Hoje quero viajar, amanhã acho que isso é perca de tempo. Planejo meu dia inteiro antes de dormir. Começo contrariando perdendo a hora certa de acordar.
Pensei em formar, fazer outra faculdade, mas depois quis mudar de cidade, tentar uma carreira nova. Às vezes quero largar tudo... mudar toda a rotina.
Eu quero ir pra São Paulo, terra de ninguém, onde o povo não dorme, vive a noite que nem zumbi. Isso é tão eu! Mas sabe, adoro minha cidade, meu povo, minha gente, meu uai, sô!
Sei lá... às vezes acho que a incerteza me deixa um ser mais criativo. O tempo todo tenho novas informações, minha cabeça pensa em todas elas ao mesmo tempo... junta tudo, faz uma mistureba e no fim vira milkshake de inovações; que nem sempre são inovadoras... a não ser pra mim.
Já pensei em ser famosa, dar entrevista nos Faustão... queria ir no VMB, nem que fosse de penetra. Tocar no Mineirão e quebrar uma guitarra no meio do palco.
Mas aí eu lembro que parece que foi ontem que eu era adolescente e queria fazer faculdade de letras, cinema, educação física, teatro, música, arquitetura, psicologia, publicidade, história (juro), porque sempre fui meio faz-de-tudo, só as exatas que nem sob pena de morte!
Agora sou um pouco de cada, um pouco de designer, um pouco de cantora, compositora, um pouco de escritora, fotógrafa, modelo, roteirista, desenhista, editora, dorminhoca (isso sou muito)… mas sinto que não sou extremamente boa em nada! Sou um auê de mini-talentos, mas não sou "Foda" em algo específico.
E depois de uma conversa por aí com o Sr. Dandan... andei pensando: Sabe, acho que preciso aprender mais com os outros, admirar mais... E a partir daí acho que vou encontrar meu caminho pra achar aquilo que eu nasci pra fazer!
Hoje acho que é cantar, mas pode ser compor, pode ser modelo, pode ser catadora de conchinha de praia, experimentadora de colchões, contadora de histórias, ninja.. Vai saber, né!?
O que sei e isso é algo totalmente certo na minha mente é que seja lá o que me fizer feliz, eu preciso correr atrás com todas as minhas forças e esquecer que existe alguém pra me julgar!
O legal seria se existisse uma forma em que eu pudesse ser tudo isso. Ser o que eu quisesse naquele momento, ali, e depois outra coisa... seria bom se existisse tempo pra eu desistir de algo e depois começar tudo de novo. Seria legal se ninguém se importasse de eu experimentasse um pouquinho seu amor.. ver se me apetece.. E depois decidir.
Enquanto não tem jeito, vamos indo.. tentando acertar os passos, sendo humana, errante, confusa, inconstante.

sábado, 28 de fevereiro de 2015

A menina do coração mole

Todo dia ela vivia um caso novo
A cada noite um novo senhor
Nem mais sabia qual nome escrevia
na sua cartinha de amor

O coração andava mole feito água
qualquer balela era quase uma canção
se o rapaz fosse bonito e de bom grado
em um segundo lhe roubava o coração

Mas o problema era que paixão passava rápido
nenhum daqueles conseguiu te segurar
e a menina da boquinha cor de amor
ia pra casa de algum erro se culpar

Até que um dia da vidraça da janela
viu um moço que um pouco lhe assustou
a silhueta lembrava muito da dor dela
mas quando viu o que aquilo era, logo toda dor passou

Ela sabia que aquilo ali era irreal,
mas algum motivo a fazia insistir
as piscadelas e bobeiras da janela
a faziam acreditar: "tem coisa aí"

Mesmo que isso não levasse a nada
era melhor do que toda a confusão
amor escondidinho é melhor
do que ter um vazio no coração

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Oh! Fuck! - Desabafo!

A sensação é como se não existisse mais oxigênio, é uma agonia que não se explica e nem se descreve por inteiro, mas se eu fosse tentar, diria que é como se estivessem te torturando sem ao menos encostarem um dedo em você. Essa seria quase a descrição do que é se lembrar de uma situação que você não tem controle e que te fere completamente.
Você respira. Por fora nada realmente está acontecendo e, na verdade, não se sabe ao certo o motivo de se sentir assim depois de tanto tempo, depois de parecer que todas as coisas que te faziam mal foram apagadas da sua mente. Durante os seus dias, você nem se lembra que um dia já sofreu, você nem pensa mais no que te feriu e estar de frente com isto não te afeta mais, mas um pequeno "grão de areia" que visivelmente parece não significar nada, traz tudo a tona. 
E então vem a pergunta: Por quê???
Tanto faz, mas eu preciso de um momento desabafo...
Eu sempre pensei que nada é por acaso, mas sei lá.. ultimamente eu vejo um mundo tão sujo na minha frente que pareço desacreditar cada vez mais em tudo. O meu mundo cor-de-rosa foi embora. E as mentiras vão reaparecendo e eu aqui, tentando sempre ser superior... madura... porque é assim que dizem que devemos agir. "Essa atitude seria infantil", "Isso é anti-ético".. é sério isso???
Poxa... e o que as pessoas sentem? Isso não importa pra ninguém? Não tem valor também?
É sério que a gente vai cair no papo furado de que temos que aceitar a natureza errônea no homem? Que todo homem trai? Sério?
Porque assim realmente parece tudo escuro pra mim, parece que o que importa sempre é só o prazer, sendo que pra mim (apesar de ser mulher) nunca funcionou dessa maneira. Eu não consigo tratar os erros com pesos diferentes... pra mim, caráter é exatamente igual em qualquer tipo de situação: afetiva, financeira, profissional... sei lá o que mais.
Fuck it all!
Eu quero acreditar sim que quando existe amor e respeito as coisas são diferentes... quero voltar a acreditar em alguém... e, principalmente me permitir não ter medo.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Crise dos quase 20

Confesso que, se minha vida fosse um filme, o meu momento atual poderia ser um ponto de virada.
Em roteiros, esses pontos significam que acontecimentos marcam o rumo da história, trazendo novos obstáculos ou soluções para o herói. No meu caso, quando tudo ia linearmente bem, parece que tudo decidiu explodir e de repente mil coisas acontecem e mudam tudo, da água pro vinho.
Bom, falando assim parece que todos sabem o que se passa na minha vida, mas da última vez que contei as novidades tudo ainda estava florescendo.
O projeto Fins e Recomeços está andando, lentamente, mas progredindo. A primeira música da coletânea já está quase saindo, faltando apenas liberar a Master final. Confesso que estava bem animada com o single "99 ANOS", mas algumas coisas me chatearam recentemente e aquele amor pela canção pareceu ir pelo ralo.
O que acontece é que não sei dizer em qual ponto errei, em querer gravar agora sem ter certeza de estar pronta (vocalmente falando) ou em aceitar subir o tom da música sem conhecer meus limites reais. Enfim.. o que quero dizer é que não estou satisfeita comigo mesma, com minha voz, com meu nível de aprendizado. O que posso fazer e estou fazendo é estudar, mas isso vai melhorar em longo prazo, já que grana pra aula de canto não vai rolar por um tempo.
No design as coisas vão indo, muita experiência, muito aprendizado. Comecei há pouco um técnico e agora mais que nunca a rotina fica pesada... e o dia completamente dedicado à profissão: Manhã, tarde e noite. Tem hora que enjoa, estressa, cansa e aí não tenho achado muita coisa pra melhorar o humor a não ser dormir, dormir, dormir... e nem horas de sono parecem ser suficientes.
Fora isso que já é de praxe, montei uma banda de rock semana passada e o primeiro ensaio é neste domingo. A ideia é divertir um pouco, tocar pela cidade, talvez fazer uma grana, mas, PRINCIPALMENTE, ganhar experiência de palco e entrosar com o público. Nessas saídas pelas noites do rock em BH, aprendi muito e fiz muitos amigos que tocam em bandas por aí... tem sido fantástico.
E ainda assim.. estou um pilha de nervos, com o coração saltando pela boca, sem entender se estou gostando ou não de um certo ser humano do sexo masculino ou se é só coisa da minha cabeça. Fico pensando em que decisão tomar ou se não devo tomar alguma decisão... se me afasto e fico longe de uma amizade foda ou se continuo perto e corro o risco de ficar pensando nisso, enquanto deveria estar focada em outras coisas.
Affz, todos esses fatos me fazem querer tomar decisões radicais, fico pensando se quero minha vida como está ou se ela precisa de uma reviravolta pra que no meu roteiro o ápice seja suficientemente aceitável. Não sei até que ponto vale o risco e se devo fazer o que o coração pede.
Por hora, deixo estar.. como ando fazendo sempre que surge algo que não posso mudar.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Amores clichês

Está ficando um pouco clichê, essa coisa do "deixe estar"
mas não estão sobrando muitas alternativas,
se o melhor a fazer é ver a vida improvisar

ter certeza, mas mesmo assim duvidar
saber que o melhor é a distância e mesmo assim se aproximar
é... assim realmente fica difícil e não vejo uma breve solução
deixo tudo como está e espero a hora certa pra ver se a sorte acerta o coração

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Vermelhos

A nossa verdade dói,
a realidade é crua
amor de verdade é raro,
e quando surge pouco dura

A magia de estar num romance,
de acreditar por um segundo
que nada mais importa, juro,
é a melhor coisa desse mundo

mas sentir sem ser sentido,
é quase a mesma coisa
que cantar um bom refrão
sem ser ouvido

Olha, eu fiz essa canção
e vim aqui pra te dizer
não dá pra ser assim
eu não posso mais te ver

O mesmo vermelho da paixão
é também o do perigo
se essa também é sua cor
não podemos ser amigos.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Everlong

“I love play in big shows, i Love play in big cities, but i Love shows like this, face to face, where i can see your funcking faces. Yes! I can see your fucking face (…) I’ll come back for you”
[Dave Grohl – Foo Fighters]

O céu nublado e a promessa de chuva, os km andados a pé pra chegar até o palco e toda a correria de uma quarta feira que começou comum, mas acabou na “eternidade”, se é que você me entende.
É sobre essa noite de meio da semana que eu quero falar hoje, dia 28 de janeiro de 2015, o último show de SONIC HIGHWAYS WORLD TOUR no Brasil.
21 anos sem uma turnê por aqui e especialmente para os Belo Horizontinos que tiveram um show cancelado. Foi a primeira vez na história dessa cidade que Dave Grohl resolveu visitá-la. A expectativa? De um show épico, de algo que nunca mais esqueceríamos... afinal de contas é um prazer imensurável receber um ídolo em sua cidade natal.
Há aqueles que se desesperaram e compraram os ingressos no primeiro dia em que as vendas foram abertas. No meu caso, eu só me desesperei, mas não pude comprar o ingresso. O coração ficava apertado com medo de ficar de fora dessa experiência. Foram dois meses praticamente vendendo o almoço pra tentar juntar a grana que eu não tinha pra poder assistir meus ídolos no palco. No fim, 5 dias antes do show, eu consegui!
Com o ingresso na mão e a ansiedade tomando conta do peito, os dias passaram bem devagar. Fui em busca de uma nova camiseta da minha banda favorita, faltando dois dias... e caramba... não tinha mais camisas do Foo Fighters nessa cidade. No fim das contas, foi melhor assim.. liguei o computador e montei minha própria arte... mandei imprimir e acabou saindo por 1/3 do preço que estavam cobrando por uma camisa nas lojas. 
Camisa vestida, ingresso no bolso, tudo pronto! Depois de uma quarta-feira turbulenta no trabalho e de rodar a cidade inteira, finalmente fui para a esplanada do Mineirão. Cheguei tarde. Quando desliguei o motor da moto escutei a primeira música começando: “Something from nothing”, e em meio a garoa que caía por ali, saí correndo pra não perder muito.
Enquanto dava a volta no Mineirão pra achar minha entrada de pista comum, já ouvia “The Pretender”, corria e enquanto gritava, cantava, pulava.. quando consegui entrar já estava no fim de “Breakout” e eu nem sabia mais pra onde ir.. aquela multidão e eu tão pequena. Não via o palco, não via o Dave, não via nada.... fui me enfiando no meio daquelas pessoas, até que achei um lugarzinho, num degrau que dava pro centro do palco e ali fiquei a noite inteira
Foi quando o Dave disse algumas palavras e logo depois tocou “Big me”.. e foi exatamente daí pra frente que eu saí completamente de mim.
A chuva que prometia não caiu, a esplanada que prometeu não encher se encheu... aquela era uma noite que deveria ser guardada na memória. Como toda primeira vez deve ser.
A única coisa que lamento foi não ter sentindo que a multidão retribuiu como Foo Fighters realmente merecia. Pelo menos não ali onde eu estava. Pra mim faltaram mais palmas, faltaram mais gritos, mais “cantar junto”, mais participação... Sabe, o povo mineiro não anda muito acostumado com shows como este. Eles mereciam, COM TODA A CERTEZA DO MUNDO, uma multidão calorosa, que cantasse aos berros todas as músicas do playlist e que pulasse o tempo todo, e, no fim, saísse dali sem voz e cansada.
Mas tudo bem, nem mesmo a empolgação nível médio de quem vi por ali foi capaz de mudar o que estava preparado para aquela noite. Dave Grohl prometeu e cumpriu, disse que gostaria que aquela noite tão linda nunca fosse esquecida. Pelo menos pra mim nunca será! Depois de tanta luta e correria, conseguir ver o meu ídolo ali na minha frente, cantando as canções que fizeram parte da minha adolescência e ainda fazem até hoje. Enquanto estava ali não havia mundo lá fora, não havia mais nada além de mim, Dave, Taylor, Chris, Nate, Pat e Rami.
As palavras do Dave me fizeram arrepiar, senti um aperto no peito de quem se sente agradecido por estar ali. Enquanto ele falava, não segurava o riso bobo na cara, que não acreditava que aquele cara ali no palco estava sendo tão simpático. Antes mesmo de pedirmos, ele prometeu voltar...  e eu já nem sabia onde guardar tanto amor no meu peito. 
"Não sabemos como nos despedir" disse Dave e para confirmar tudo que já havia dito, finalizou o show com "Everlong"... a música que traduzia exatamente o que eu sentia naquele momento.
Obrigada Foo Fighters, por mais uma noite inesquecível e mágica.
Ficam aqui minhas lembranças e um pedido de “voltem logo”!

Eu e Rami Jaffee